Notícias

Arma com diamantes, fuga pelado, suborno a presidentes: dez histórias relatadas no julgamento de ‘El Chapo’ | Mundo


O narcotraficante mexicano Joaquín ‘El Chapo’ Guzmán, ex-chefe do cartel de Sinaloa, foi declarado culpado de todas as dez acusações ao final da primeira etapa de seu julgamento, na terça-feira (12). A sentença será anunciada oficialmente em 25 de janeiro, mas pela natureza de seus crimes, já se sabe que ele será condenado à prisão perpétua.

O julgamento de El Chapo durou dois meses e meio e teve apenas uma testemunha de defesa, que falou durante 30 minutos. O próprio réu preferiu não depor.

A acusação, por outro lado, apresentou 56 testemunhas, incluindo 14 testemunhas cooperantes, em sua maioria traficantes e sócios no cartel de Sinaloa, que passaram 200 horas falando – e contando alguns casos curiosos e assustadores ao relatarem as atividades e crimes do acusado.

Veja a seguir dez histórias relatadas durante o julgamento:

A pistola Loera 38 de El Chapo, com suas iniciais e incrustada com diamantes, apresentada por promotores ao júri durante seu julgamento em Nova York  — Foto: Brooklyn Federal Court/AFP/ArquivoA pistola Loera 38 de El Chapo, com suas iniciais e incrustada com diamantes, apresentada por promotores ao júri durante seu julgamento em Nova York  — Foto: Brooklyn Federal Court/AFP/Arquivo

A pistola Loera 38 de El Chapo, com suas iniciais e incrustada com diamantes, apresentada por promotores ao júri durante seu julgamento em Nova York — Foto: Brooklyn Federal Court/AFP/Arquivo

Os promotores exibiram aos jurados uma pistola calibre 38 de uso pessoal de El Chapo, cravejada com diamantes e com suas iniciais. Foi revelado ainda que ele tinha um fuzil AK-47 folheado a ouro. Uma das testemunhas também contou um episódio que aconteceu em 2005: durante uma viagem de férias com sua família, El Chapo decidiu levar uma bazuca recém-comprada pelo cartel e praticar tiro ao alvo com ela, “para relaxar”.

O narcotraficante drogava e estuprava meninas de apenas 13 anos porque achava que fazer sexo com garotas tão jovens fazia bem para sua saúde. Segundo Alex Cifuentes, um ex-traficante colombiano que passou dois anos convivendo do El Chapo, uma mulher conhecida como “Comadre María” enviava fotos de meninas para que ele escolhesse, e recebia US$ 5 mil para enviar cada uma. Chapo dizia que as vítimas eram suas “vitaminas” e que elas lhe “davam vida”.

Na década de 1990, El Chapo decidiu montar um zoológico em uma de suas propriedades. O terreno, onde já havia uma mansão com piscina e quadra de tênis, foi reformado e ganhou espaço para abrigar leões, tigres e crocodilos. Um pequeno trem levava os convidados para percorrer todo o espaço. Outra de suas propriedades a se destacar era uma casa de praia, estimada em US$ 10 milhões, onde ficava seu iate, batizado de “Chapito”.

Edgar Galvan, que traficava armas para os EUA para o cartel de Sinaloa, depôs em janeiro e revelou a existência de uma “sala de assassinatos” na casa de Antonio “Jagua” Marrufo, em El Juarez, perto da fronteira com os Estados Unidos. Marrufo era um matador do cartel e mantinha uma sala com revestimento à prova de som, para que ninguém do lado de fora ouvisse o que acontecia ali. Havia ainda azulejos nas paredes e no piso e um grande ralo para que fosse mais fácil escorrer o sangue das vítimas. Segundo Galvan, ninguém que entrava naquela casa saía de lá.

Logo no início do julgamento, Jesús Zambada, irmão de Ismael “El Mayo” Zambada, o suposto parceiro de Guzmán na direção do Cartel de Sinaloa, contou como o traficante era capaz de mandar matar por motivos fúteis. Em 2004, Rodolfo Fuentes, membro do Cartel Juarez, foi assassinado apenas porque não quis apertar a mão de El Chapo durante uma reunião. “Quando [Rodolfo] saiu, Chapo deu-lhe a mão e disse: ‘Até logo, amigo’, e Rodolfo simplesmente o deixou ali com a mão estendida”, disse Zambada. Ele e a esposa foram baleados e mortos ao saírem de um cinema logo depois.

Nem mesmo parentes eram poupados caso irritassem El Chapo por pequenos detalhes. Seu primo Juan Guzmán, por exemplo, disse que estaria fora da cidade, mas foi visto em um parque local. Para “fazer dele um exemplo”, de acordo com o também traficante Damaso Lopez Nuñez em seu testemunho, Juan foi interrogado e assassinado, assim como seu secretário. Outra testemunha do julgamento, Miguel Angel Martinez, diz que chegou a perguntar uma vez porque El Chapo matava. “Ele me respondeu: ou a sua mãe vai chorar ou a mãe deles é que vai”.

Isaias Valdez Rios, que foi guarda-costas de El Chapo, diz ter visto o ex-chefe matar três pessoas em sua frente, todas com extrema crueldade. Duas delas eram de Sinaloa e foram acusadas de traição por entrarem para um cartel rival. Depois de espancar os homens por mais de três horas usando sua arma e pedaços de pau, ele levou as vítimas – a essa altura com diversas fraturas e sem conseguirem se mexer – a um local onde havia uma fogueira. Ele então xingou os dois, atirou em suas cabeças e jogou os corpos no fogo.

A terceira vítima também era de um cartel rival. O homem teve o corpo todo queimado com um acendedor de cigarros de veículos e suas costas foram queimadas tão gravemente com um ferro que sua camisa grudou em sua pele. Os pés também foram queimados. Ele então foi deixado em uma espécie de gaiola suja por dias, até que sua pele começou a se decompor. Vendado e com pés e mãos amarrados, ele foi levado até uma cova, onde foi baleado. Ainda tentando respirar, foi enterrado vivo.

Emma Coronel Aispuro, mulher de Joaquín ‘El Chapo’ Guzmán, deixa o tribunal após o término do julgamento de seu marido, na terça-feira (12), em Nova York — Foto: Reuters/Brendan McDermidEmma Coronel Aispuro, mulher de Joaquín ‘El Chapo’ Guzmán, deixa o tribunal após o término do julgamento de seu marido, na terça-feira (12), em Nova York — Foto: Reuters/Brendan McDermid

Emma Coronel Aispuro, mulher de Joaquín ‘El Chapo’ Guzmán, deixa o tribunal após o término do julgamento de seu marido, na terça-feira (12), em Nova York — Foto: Reuters/Brendan McDermid

Lucero Guadalupe Sanchez Lopez foi amante de El Chapo e estava com ele em 2014, quando o exército mexicano chegou à propriedade em que eles se escondiam. Foi então que ele revelou um túnel escondido embaixo da banheira e fugiu, sem sequer ter tempo para se vestir. Dias depois, no entanto, ele foi capturado quando estava com sua mulher, Emma Coronel. Os dois estavam na cama, e El Chapo estava novamente nu, mas desta vez não conseguiu escapar. Durante o depoimento de Lucero, enquanto esta chorava, Emma zombou dela fazendo barulhos semelhantes ao cacarejar de uma galinha. Além disso, naquele dia ela e o marido usaram blasers da mesma cor, como uma forma de demonstrar união.

A procuradora-geral da República do México, Arely Gómez González, se abaixa para ver a saída do túnel que vai até a Penitenciária Federal Altiplano e que possibilitou a fuga do traficante Joaquín 'El Chapo' Guzmán, nos arredores da Cidade do México — Foto: Reuters/Procuradoria-Geral da República do MéxicoA procuradora-geral da República do México, Arely Gómez González, se abaixa para ver a saída do túnel que vai até a Penitenciária Federal Altiplano e que possibilitou a fuga do traficante Joaquín 'El Chapo' Guzmán, nos arredores da Cidade do México — Foto: Reuters/Procuradoria-Geral da República do México

A procuradora-geral da República do México, Arely Gómez González, se abaixa para ver a saída do túnel que vai até a Penitenciária Federal Altiplano e que possibilitou a fuga do traficante Joaquín ‘El Chapo’ Guzmán, nos arredores da Cidade do México — Foto: Reuters/Procuradoria-Geral da República do México

A fuga mais famosa de El Chapo, porém, não teve cenas de nudismo. Ela aconteceu em 2015, depois que ele já tinha escapado uma vez e as autoridades mexicanas tinham afirmado que “não havia possibilidade” de isso acontecer de novo. Dessa vez, o plano incluiu um túnel de 10 metros de profundidade, cavado durante meses debaixo do ralo de um chuveiro da prisão de Altiplano. Dentro do túnel, uma pequena motocicleta especialmente adaptada percorria uma espécie de trilho e foi usada para transportar o traficante por 1,6 km até a saída. Segundo Damaso Lopez Nuñez, os filhos mais velhos e a mulher de El Chapo participaram do plano. Emma foi a responsável por entregar ao marido as instruções sobre como fugir, afirmou Nuñez.

Alex Cifuentes revelou em seu depoimento que El Chapo subornou muita gente para conseguir manter seus negócios durante tanto tempo. De policiais a agentes de segurança nos EUA e no México até presidentes. Ele disse que o ex-presidente do México Enrique Peña Nieto pediu US$ 250 milhões, mas se contentou em receber US$ 100 milhões. Ele também disse que outro ex-presidente mexicano, Felipe Calderón (2006-2012), recebeu proprinas durante seu mandato em troca de proteção para El Chapo e o cartel de Sinaloa.



Fonte

Últimas Notícias do Presidente da República Brasileira
Previous ArticleNext Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *